Soja: época de semeadura
Publicado em: 28/03/2019
Boas práticas de manejo para maximização da eficiência produtiva da soja

Um dos fatores fundamentais para que as plantas atinjam elevado potencial produtivo é a coincidência do período de maior demanda das plantas (radiação solar), com a época de maior disponibilidade dos recursos ambientais. Em outras palavras, busca-se coincidir o período de máxima área foliar com a elevada radiação solar e maior temperatura, sempre que a disponibilidade hídrica não seja o limitante.

A estação de crescimento das culturas é limitada ao período no qual os fatores ambientais, como água, radiação solar (fotoperíodo) e temperatura, apresentam alta disponibilidade e em quantidades suficientes para permitir o pleno crescimento e desenvolvimento das plantas. Nas regiões subtropicais e temperadas, o período de crescimento se define pelas variações na disponibilidade térmica e de radiação solar. Para garantir uma adequada tomada de decisão sobre a melhor época de semeadura alguns critérios precisam ser avaliados antes, como por exemplo:

- Otimização no uso de elementos meteorológicos, como a disponibilidade hídrica, a temperatura diurna e noturna e a radiação solar.

Semeadura no período que apresenta a melhor disponibilidade de todos os elementos meteorológicos, os quais serão os responsáveis pela máxima produção e eficiência no desenvolvimento das culturas.

- Amplitude da época de semeadura, como a região de cultivo, estreitamente ligada com o zoneamento agrícola de risco climático (ZARC).

O ZARC é a determinação da aptidão climática das regiões de um País, Estado ou Município em produzir determinada espécie. Assim define-se a aptidão para o cultivo de determinada espécie de interesse agrícola, considerando informações edafoclimáticas.

O ZARC não necessariamente é aplicado apenas para a delimitação de áreas aptas ou não ao plantio de certa espécie em relação ao macroclima, mas também, essas informações são baseadas em estatística probabilísticas sobre a melhor época de semeadura (para um melhor estabelecimento das plantas e desenvolvimento das mesmas), desenvolvimento e maturação em período com as melhores condições, do risco climático associado aos impactos do déficit hídrico nas culturas, áreas de escape de doenças e pragas, do potencial produtivo de cada espécie (Alfonsi et al., 1995; Sentelhas et al., 1995; Farias et al., 2001).

Uma das informações que integram o ZARC são as variáveis agrometeorológicas, que apresentam papel importante para planejar a agricultura irrigada, pois o balanço hídrico é peça fundamental. Os ZARC possibilita a identificação de áreas com deficiência ou com excesso hídrico, e a sua variação ao longo do período de cultivo (Pereira et al., 2002).

O período recomendado de semeadura da cultura da soja para o Rio Grande do Sul inicia na segunda quinzena de outubro a vai até a primeira quinzena de dezembro. No Brasil, a área agrícola é dividida em 5 macrorregiões sojícolas. Neste sentido, optou-se em separar o Brasil em regiões devido à variabilidade edafo-climáticas (solo, clima e fotoperíodo), o que ocasionará variação no desenvolvimento dessa espécie.

A época de semeadura pode ocasionar variações no desenvolvimento vegetativo das plantas, por se tratar de uma interação entre fotoperíodo e soma térmica dos indutores das cultivares ao florescimento. Assim, ao antecipar a época de semeadura ou atrasar a mesma, encontra-se desenvolvimento diferentes quando semeado nas épocas recomendadas, ocasionando dessa maneira redução do potencial produtivo. O mesmo deve ser observado para cultivares de diferentes grupos de maturação, como podemos observar na Figura 4.



Figura 4 - Efeito da data de semeadura sobre o desenvolvimento vegetativo das plantas de soja em função do fotoperíodo. Adaptado Thomas, A. L.


Compartilhar